LOGIN / Acesse o sistema

Esqueceu sua senha? Redefina aqui.

Ainda não possui uma conta? Cadastre-se aqui!

REDEFINIR SENHA

Insira o endereço de email associado à sua conta que enviaremos um link de redefinição de senha para você.

Ainda não possui uma conta? Cadastre-se aqui!

Este conteúdo é exclusivo para membros ABCM

Inscreva-se e faça parte da comunidade

CADASTRE-SE

Tem uma conta?

Torne-se um membros ABCM

Veja algumas vantagens em se manter como nosso Associado:

Acesso regular ao JBSMSE
Boletim de notícias ABCM
Acesso livre aos Anais de Eventos
Possibilidade de concorrer às Bolsas de Iniciação Científica da ABCM.
Descontos nos eventos promovidos pela ABCM e pelas entidades com as quais mmantém acordo de cooperação.
Estudantes de gradução serão isentos no primeiro ano de afiliação.
10% de desconto para o Associado que pagar anuidade anntes de completar os 12 meses da última anuidade paga.
Desconto na compra dos livros da ABCM, entre eles: "Engenharia de Dutos" e "Escoamento Multifásico".
CADASTRE-SE SEGUIR PARA O VIDEO >

Tem uma conta?

Comitês Comitê de Engenharia Nuclear

Comitê de Engenharia Nuclear

Área: Engenharia Nuclear

Data de Criação: 12/2010

 

Comitê Executivo Atual:

1. Antonio Jose da Silva Neto (IPRJ)  [email protected]

2. Beatriz Machado (COPPE/UFRJ) [email protected]

3. Eduardo Hwang (Petrobras)   [email protected]

4. Eneida Regina Guimarães Dourado Ribeiro (CNEN)   [email protected]

5. Gherhardt Ribatsky (USP/São Carlos) [email protected]

6. Gustavo Pereira (Nuclep) [email protected]

7. José Luiz Horacio Faccini (IEN/CNEN) [email protected]

8. Leon Matos Ribeiro de Lima (Eletronuclear) [email protected]

9. Luben Cabezas Gómez (USP/São Carlos) [email protected]

10. Lucilla Coelho de Almeida (ESSS) - [email protected]

11. Maria de Lourdes Moreira  (IEN/CNEN) - [email protected]

12. Marcio Jannuzzi (Eletronuclear) [email protected]

13. Marcos Bertrand de Azevedo (IEN/CNEN) -  [email protected]

14. Nilson Costa Roberty (UFRJ) -  [email protected]

15. Paulo Augusto Berquó de Sampaio (IEN/CNEN) - [email protected]r

16. Paulo Fernando Frutuoso de Melo (UFRJ) - [email protected]

17. Renato Machado Cotta (UFRJ) - [email protected]

18. Sergio Viçosa Möller (UFRGS) - [email protected]

19. Su Jian (UFRJ) -  [email protected] (substituto eventual)

20. Tiago Augusto Moreira (University of Wisconsin, Madison) - [email protected]

21. Daniel Scal (Eletronuclear) - [email protected]

22. Manuel Fernandez Pena (Eletronuclear) - [email protected]

 

Histórico:

Para que o crescimento econômico e social do Brasil aconteça de forma continuada é preciso garantir um suprimento adequado de energia para sociedade. A ausência deste suprimento provocará estagnação econômica, comprometendo a geração de empregos e o aumento da renda da população. Além disso, é importante lembrar que ainda há localidades no País onde sequer chega a energia elétrica. E quando esta chega, logo surgem as demandas por geladeiras, eletrodomésticos e outros aparelhos ligados à vida moderna. O anseio pelo conforto trazido pela eletricidade é uma demanda profundamente relacionada aos conceitos de cidadania e inclusão social.

Para viabilizar o crescimento econômico e o aumento do consumo per capita de energia, a capacidade de geração instalada no país precisa crescer de forma expressiva. Por outro lado, mantida a atual estrutura da matriz energética brasileira, tal crescimento terá necessariamente forte impacto nas questões de recursos hídricos, do uso da terra e da preservação do meio ambiente.

Considerando o panorama mundial, observa-se hoje uma crescente preocupação com a liberação de gás carbônico para a atmosfera e com os conseqüentes problemas do efeito estufa e aquecimento global. Iniciativas internacionais, como o Tratado de Kioto, procuram reduzir tais emissões pelos países signatários, visando a minimizar a possibilidade de alterações climáticas de conseqüências econômicas e sociais catastróficas.

A realidade brasileira mostra a necessidade de novas usinas geradoras de energia, onde desempenham papel muito importante as usinas hidrelétricas. Neste contexto, existem problemas ambientais não resolvidos e que têm levado a atrasos no início das obras. Como são obras de grande porte, estes atrasos se farão sentir daqui a alguns anos. O Governo Federal tem sinalizado com a possibilidade de optar pela geração de origem nuclear em virtude dessas dificuldades. A opção por novas usinas significa a opção por reatores de terceira geração, cujos projetos são bem mais avançados que os das usinas de Angra. O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) autorizou a Eletronuclear a estudar a implantação de uma usina (Nordeste) com entrada em operação prevista entre 2015 e 2020.

A interação da ABCM com o setor nuclear brasileiro é tão longo como a sua 35 anos de história. Um grande número de profissionais de engenharia mecânica, muitos deles membros eminentes da ABCMd, foram formados durante o Programa Nuclear Brasileiro, que resultou a construção das usinas nucleares Angra 1 e Angra 2. Com a retomada da construção da usina Angra 3 e a previsão de construção de pelo menos 4 usinas nucleares, a demanda de novos profissionais pelo setor nuclear crescerá significantemente.

Os membros da ABCM que atuam na área nuclear têm feito esforços nos últimos anos para buscar uma maior aproximação com o setor nuclear através da organização de Simpósios de Engenharia Nuclear e Aplicações nos congressos da ABCM, como ENCIT2008, COBEM2009 e ENCIT2010, com crescentes números de participantes e maior volume de patrocínio advindo das empresas do setor nuclear. No ENCIT2010, há uma palestra convidada da Eletronuclear na Cerimônia de Abertura, e seis palestras convidadas no Simpósio de Engenharia Nuclear e Aplicações, sendo duas pela INB e uma pela Comissão Nacional de Energia Nuclear. O volume de patrocínio do setor nuclear para o ENCIT2010 é maior que a soma de patrocínio de todas empresas de outros setores.

Consideramos oportuno a criação do Comitê Técnico de Engenharia Nuclear, visando intensificar a atuação da ABCM na retomada do investimento no setor nuclear brasileira, atendendo a demanda de pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico e formação de recursos humanos qualificados. O Comitê Técnico será responsável pela organização de Simpósios de Engenharia Nuclear nos principais congressos da ABCM, buscar patrocínios das empresas do setor nuclear para os congressos, representar a ABCM perante a ABEN – Associação Brasileira de Energia Nuclear,e internacionais atuantes na área, como a ASME (que possui uma divisão de Engenharia Nuclear),p romover Cursos e Escolas, e arregimentar novos associados entre profissionais e estudantes do setor nuclear.

 

Voltar